domingo, 24 de julho de 2011

Por que os ciclistas não aprendem com os gays?

     Estava lendo uma reportagem sobre o movimento massa crítica, o qual relatava que os ciclistas haviam fechado uma rua para protestar a morte de um colega de pedaladas atropelado. Meses atrás, aqui em Porto Alegre, um imbecil motorizado fez um “strike” de ciclistas enquanto o grupo realizava sua tradicional pedala de protesto (na qual, centenas de bicicletas ocupam as ruas por onde passam, interditando o transito de veículos). E, dias atrás, novamente durante um destes protestos, eles trancaram uma rua que dava acesso a um hospital, gerando bastante polêmica entre os porto-alegrenses. Ok, mas o que há de errado em protestar? E mais: o que isso tem a ver com gays?

     Para garantir seus direitos, os gays usaram as leis (sim, direito..., lei..., faz sentido né?) e, para garantir que elas fossem criadas, elegeram políticos homossexuais (Clodovil, Érika Kokay, Jean Wyllys, entre outros) e simpatizantes (Marta Suplicy, por exemplo). Hoje, temos casamento gay, união estável, pena para homofobia e por ai vai (quem já assistiu ao filme Milk sabe do que estou falando). Nada de protesto contra os heteros. Para eles, quer ser hetero que seja, mas eles também querem o direito de ser o que bem entende.

     Esse é o aprendizado para os ciclistas. Se o cara quer um carro, que compre um e o dirija, mas eles também deveriam ter o direito de fazer o mesmo com suas bicicletas. E jamais, de forma alguma, conseguirão isso com protestos contra os motoristas. Eles precisam fazer o mesmo que os gays: atacar a superestrutura ao invés da estrutura (já falei sobre isso aqui no blog).

     Ver ciclistas brigando com motoristas é fantástico para o governo, pois, assim os políticos ficam livres de se expor ao votar um projeto de lei para uso de bicicletas. Sem mencionar que, ao invés de transparecer o evidente (que falta infraestrutura para ambos), a impressão que fica é de que os brasileiros não conseguem viver em sociedade.

4 comentários:

  1. Vim apreciar as maravilhas que você faz! Faço parte do Blogueiras Unidas e primeiramente estou passando para conhecer todos os blogs cadastrados e segui-los. Parabéns pelo seu trabalho... E também gostaria de lhe convidar para conhecer o meu cantinho... Ficarei feliz com a sua visita...
    Que Deus lhe abençoe Sempre!
    Vera

    ResponderExcluir
  2. Olá, Vera. Obrigado (pela visita e pelos elogios). Escrevo apenas com o intuito de discutir assuntos. Ou seja, opino e, algumas vezes, esta opinião ajuda alguém a refletir a respeito.
    Abraço, guria.

    ResponderExcluir
  3. como moro numa cidade muito pequena , não vejo essas brigas nem ficamos sabendo que elas existem por aqui , a não ser é claro pela tv. mas gays aqui tem e muito e eles ja conquistaram o espaço deles... dai me pergunto essa briga de ciclistas aqui não adiantaria muito , até por que há espaço pra todos eles... sei lá ou não.



    :::FER:::

    ResponderExcluir
  4. Também sou de uma cidade bem pequena e é impressionante como até nelas os carros predominam. E por que isso? Simples: não há incentivo para o uso de bicicletas. Muito pelo contrário. Moramos em um país tão influenciado pela industria do automóvel, cujo planejamento urbano é todo desenvolvida ao seu redor, que classificamos pedestres e ciclistas como aqueles que ainda não podem ter um carro (como se todos caminhassem e pedelassem não por opção, mas por não dispor de um veículo).

    ResponderExcluir