quinta-feira, 7 de julho de 2011

Aborto: se for irresponsável, seja até o fim!

Estava fazendo uma pesquisa sobre aborto em outros países, mais por curiosidade do que por ciência, e cheguei a conclusão de que os religiosos estão certos. O aborto não faz o menor sentido. Não vou nem discutir o fato de ser ou não um atentado à vida. Por enquanto, vou restringir a reflexão na ideia do sentido mesmo.

Primeiro que sexo, para os religiosos, não deve ser executado como um ato de livre prazer, mas sim para fins de reprodução (se eles seguem isso ou não, ai é outra coisa, mas é essa a doutrina difundida). Outra conduta definida é que ele só deve ser feito após o casamento, que, por sua vez, deve ser para o resto da vida. Ou seja, do ponto de vista religioso, uma mulher primeiro encontrará o homem com quem desejará passar o resto de sua vida, em seguida eles decidirão ter um filho e somente após isso irão permitir-se o ato sexual. Essa é a conduta defendida pela igreja. Para eles, não há sentido no aborto se esta for seguida.

Pense a respeito: se você não fizer nada para evitar, o sexo irá gerar um filho; evidente. Logo, a ideia da igreja tem lógica. O natural da relação é sim que a mulher engravide então não pode ser feita buscando prazer, mas sim quando o intuito for engravidar.

Ok, mas não é por reconhecer esta lógica que vou só vou transar novamente quando desejar ter um filho. Sou declaradamente não religioso e, para mim, sexo é um meio de se obter prazer, sim, e daí? Logo (ainda na ideia da lógica) se, por acaso, minha parceira engravidar, vou olhar para ela e dizer, "bom, agora, vamos ao aborto né?" (com toda a naturalidade de quem transou pensando apenas em prazer e não em ter um filho). Eis a divergência!

99% dos homens que leram isso concordam, mas boa parte das mulheres não. A maioria, na hora de fazer o aborto, dirá "sim, mas agora eu engravidei. Há uma vida dentro de mim!". Nossa, que lindo isso! Comovente! Faz a bobagem de transar pensando em prazer (sim, sou um abobado também) e depois adota o discurso moralista, como se a intenção inicial fosse o filho.

Quando for transar, lembre-se: isso foi feito para reproduzir. Prazer é uma consequência. Agora, se você transformar a consequência em objetivo, bom, ai leve isso até o fim. Não seja imoral nas ações e moralista no discurso ou você irá colocar um filho no mundo "sem pai" e a coitada da sua mãe vai acabar ganhando um filho de presente.
.

2 comentários:

  1. Oi Júnior! Eu sou super aberta, é claro que tenho pré- conceito mas não discriminação, cada um sabe o que faz da sua vida. A questão do aborto é um pouco incógnita, mas eu sou contra porque sou espírita, que rege outros valores e condutas mas... adorei o texto!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Carina.
    O mais importante é as pessoas não serem "meio" morais. Se foi irresponsável no sexo, assumir a gestação não corrigirá nada e pode até tornar tudo pior.

    Ótimo que tenha gostado. Vai uma dica de post então:
    http://taosofia.blogspot.com/2010/05/deus-criou-terra.html

    ResponderExcluir